O Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro no Brasil, é uma data importante para reflexão sobre a história, cultura e contribuições da população negra. A ocasião destaca a luta por igualdade racial, promove o respeito à diversidade e busca sensibilizar a sociedade para a importância da inclusão e do combate ao racismo. Este dia é uma oportunidade para celebrar a diversidade e destacar a importância da igualdade racial.

A criação deste dia aconteceu em 2003, quando ficou determinado, através da Lei nº 10.639, que determinava a inclusão da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” no currículo escolar, e fixando no calendário das escolas, o dia 20 de novembro como “Dia Nacional da Consciência Negra.” Em 2011, a data foi oficializada, em todo o Brasil. Mesmo não sendo feriado nacional, constitui feriado municipal em mais de mil cidades brasileiras.

Durante três séculos, a escravidão marcou uma era de profunda injustiça, e seus reflexos ainda se fazem sentir na contemporaneidade. Em meio a essas adversidades, é imperativo reconhecer e agradecer pelo legado deixado pelos negros africanos, que enriqueceram nosso vocabulário, influenciaram nossa culinária, contribuíram para festas populares e nos presentearam com instrumentos musicais. Compreender nossa cultura é inseparável da apreciação da herança africana.

No dicionário, a palavra consciência denota o “sentimento ou conhecimento que permite ao ser humano vivenciar, experimentar ou compreender aspectos ou a totalidade de seu mundo interior”. É necessário que diariamente cultivemos maior empatia, conseguindo nos colocar no lugar do outro, independentemente da cor. Imprescindível é que desenvolvamos a capacidade de compreender e sentir a dor alheia.

É importante compreender que o chamado à santidade ecoa sem distinção de cor ou raça. Em um mundo diverso, todos são convocados a trilhar o caminho da virtude, do amor e da compaixão. A busca pela santidade une-nos numa jornada comum, destacando que a grandeza espiritual não conhece fronteiras étnicas. É na unidade da diversidade que encontramos a verdadeira expressão da santidade, um chamado que ressoa em cada coração, independentemente da pigmentação da pele.

Quando fazemos orações por intercessão de alguns dos mais de 20.000 santos canonizados, é de se imaginar que nunca paremos para considerar a cor da sua pele – afinal, somos todos iguais e a cor da pele não faz a menor diferença. Assim, o chamado à santidade é universal, convidando a todos a trilhar o caminho da virtude, independentemente de sua origem ou cor.

Com certeza, a verdadeira essência reside no que cultivamos em nosso interior: caráter, espiritualidade e a busca pela santidade. A nossa relação com Deus e o desenvolvimento pessoal moldam nossa autenticidade, transcendendo aspectos externos como aparência ou origem. É na construção da vida interior que encontramos a base para relacionamentos significativos e contribuições positivas ao mundo ao nosso redor.

Independentemente de nossa história de vida, com os sofrimentos e acontecimentos negativos que vivenciamos e que somos acometidos, a busca pela santidade se revela como um caminho transcendente, desafiador e essencial. Encontrar a virtude em meio às adversidades torna-se uma jornada pessoal, onde a força interior e a resiliência moldam a trajetória em direção à santidade. Portanto, não é o que nos acontece que determina o que seremos, é a nossa determinada determinação que nos levará a Deus, e consequentemente nos trará a felicidade plena, pois somente nos caminhos que trilhamos com Deus é que somos felizes. Cada desafio enfrentado, cada lição aprendida, contribui para a formação de um ser mais compassivo, justo e alinhado com valores elevados. Assim, a aspiração pela santidade transcende as circunstâncias, tornando-se uma busca constante por se tornar santo a partir do que vivemos diante da Sagrada Escritura e de nossas experiências vividas com Deus.

“Eis o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, como ele nos mandou. Quem observa os seus mandamentos permanece em Deus e Deus nele. É nisto que reconhecemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu.” (I João 3,23-24)

20 de novembro de 2023, Araguaína – TO

Atenciosamente,

Brendon Mendonça Sousa
Cofundador da Comunidade Theófora e
Coordenador de Pastoral do Colégio Querubins

 

Celebremos, portanto, neste dia, alguns dos nossos santos e beatos negros!

Santa Efigênia

São Benedito

Santa Bakhita

Beata Nhá Chica

Beato Padre Victor

Santo Antônio de Categeró 

Nos Ajude